Como ajudar?

A Paróquia de Nossa Senhora do Pópulo de Caldas da Rainha, para que possa desempenhar a sua missão, depende do apoio prestado pela comunidade. Este apoio divide-se no trabalho voluntário em vários serviços (liturgia, catequese, obras de apostolado e de caridade, acolhimento) e nos donativos e contributos regulares para fazer face às despesas, sejam elas correntes ou estando relacionadas com a conservação e beneficiação do património existente, imprescindíveis para uma boa administração da paróquia.

Nos últimos anos estamos a sensibilizar os paroquianos para as Obras Paroquiais, fundo que reverte para a conservação e beneficiação da Igreja Paroquial e do Centro Paroquial anexo. Para este fundo contribuem várias campanhas como por exemplo o Magusto Paroquial, o Arraial dos Santos Populares, Sorteios Quermesses. Aceitam-se também donativos para este fim, que podem ser entregues no Cartório Paroquial ou realizados por Transferência Bancária e cujos dados se indicam a seguir:

TITULAR           Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de Nossa Senhora do Pópulo das Caldas da Rainha
IBAN                   PT50 0018 0001 0020 0333 7612 8
BIC SWIFT       TOTAPTPL
BANCO              BANCO SANTANDER TOTTA SA
DESCRITIVO   Obras Paroquiais

Agradecemos desde já o vosso apoio.


Paróquia de Nossa Senhora do Pópulo de Caldas da Rainha, à semelhança de outras paróquias, compreende uma comunidade de fiéis que no nosso caso corresponde à comunidade católica das freguesias urbanas do concelho de Caldas da Rainha. O pároco é o pastor próprio da paróquia e, enquanto colaborador do Bispo, presta a cura pastoral à comunidade que lhe foi entregue pelo mesmo, desempenhando o múnus de ensinar, santificar e administrar, com a cooperação de outros sacerdotes e diáconos e com a ajuda dos fiéis leigos. (cf. CDC, cân. 515 e 519).

Para que a paróquia possa desempenhar a sua missão, com a orientação do pároco e em estreita colaboração com os leigos, a comunidade no seu todo e dentro das suas possibilidades, é chamada a prover às necessidades da paróquia, de forma a garantir o culto divino, as obras de apostolado e de caridade, em especial aos mais pobres, a conservação, incremento e boa administração dos bens da comunidade e a honesta sustentação dos seus ministros. Os paroquianos devem assim sentir-se corresponsáveis na sustentação da paróquia (cf. CDC Cân. 222; DMPB 33).