Que bom ter havido Natal!

thumb image site infancia missionaria 2019No passado Domingo, dia 6 de Janeiro, em que toda a Igreja celebrou a Festa da Epifania do Senhor, as crianças e jovens da catequese participaram em grande número na Festa da Infância Missionária, contribuindo com uma pequena renúncia para ajudar outras crianças.

A Infância Missionária é uma iniciativa que surgiu pela mão do bispo francês Carlos Forbin-Janson que, muito preocupado com as crianças, encontrou-se em Lyon com Paulina Jaricot (fundadora da Obra de Propagação da Fé) no ano de 1843, que o apoiou plenamente no seu projecto de ajuda às crianças do mundo inteiro, através do lema: “crianças ajudam e evangelizam crianças”. O projecto cresceu e, a 19 de maio de 1843, a primeira Direcção da Obra fixou os seguintes objectivos: salvar as crianças da morte e da miséria; baptizá-las e dar-lhes educação cristã; prepará-las para serem apóstolos das crianças.

Na homilia desta celebração, o padre Joaquim Pedro começou por expressar a sua alegria por ver tantas crianças e jovens presentes na celebração, juntamente com pais e catequistas, englobando-os na família paroquial que se reúne todos os Domingos. Baseando-se na leitura do Evangelho próprio do dia com a narração da viagem dos três Reis Magos que, ao vislumbrar uma nova estrela e entendida como uma novidade de Deus, partem das suas terras em jeito de peregrinação, deixando para trás o que têm, convidou todos a procurar essa mesma novidade. Os Reis Magos ao darem conta de que essa novidade era Jesus, alegraram-se ao vê-Lo, adoraram-No e rezaram tal como nós fazemos todos os dias. Dirigindo-se aos jovens perguntou: qual será o melhor presente que podemos dar a Jesus? A resposta não tardou: o melhor presente é a oferta que cada um pode fazer de si, dos projectos, da vida, mas para isso é preciso que haja coragem.
Mas neste episódio da adoração dos Magos algo podia correr mal. O Rei Herodes pediu aos Reis Magos que lhe informassem do local onde se encontrava o menino Jesus para que também lá fosse adorá-Lo. No entanto, sabendo que Herodes não tinha boas intenções uma vez que tinha medo de perder o seu poder, seguiram por outro caminho no regresso. Com este exemplo, o Padre Joaquim incentivou os jovens a viver esta atitude, de tomar outros caminhos que não de ódio, crítica, desavença e inimizade; caminhos novos para que todos possam ser instrumentos de paz, seguindo a luz de Deus. Um menino nasceu para nós: que bom ter havido Natal!

A renúncia para a Infância Missionária, depositada em mealheiros de papel e coloridos por cada um, foi entregue no momento do ofertório da celebração eucarística, ficando visíveis junto do altar.