CATÓLICOS do OESTE | Um amor que não passa!

catolicos-do-oeste-e1480525558952Eis o grande dom da Páscoa. Para nos dar Vida, Deus fez-se um de nós, sofreu e morreu, abrindo para todos, com a Sua Ressurreição, um horizonte de Esperança infinita: o Céu!
No Céu, tudo é paz e alegria. Mas, infelizmente, não é assim sobre a terra! No nosso mundo, a alegria pascal contrasta ainda com os lamentos e gritos que provêm de tantas situações dolorosas: miséria, fome, doenças, guerras, violências. E todavia foi por isto mesmo que Cristo morreu e ressuscitou!
De facto, Jesus sofreu ao ver-nos perdidos e abandonados no pecado. E como sofreu, tal nos revela o Santo Sudário de Turim… Em Sua compaixão infinita, desceu aos infernos da nossa miséria para, como Bom Pastor, nos arrancar e libertar das nossas prisões. E, ressuscitado, entrar na nossa morada falando-nos ao coração: «A paz esteja convosco!», «Não tenhais medo, Sou Eu»!
Eis a vitória da Páscoa, a paz que podemos encontrar no coração de Cristo. «Se morremos com Cristo, acreditamos que também com ele viveremos», como diz S. Paulo aos Romanos: se com Ele descemos aos “vales da sombra da morte”, agora temos a esperança de estar com Ele, um dia, na glória do Céu para uma Vida Eterna!
Assim nos convida a meditar o Papa Francisco: «Pensemos um pouco, cada um de nós, nos problemas diários, nas doenças que vivemos ou que alguns dos nossos familiares têm, nas guerras, nas tragédias humanas, e simplesmente, com voz humilde, sem flores, a sós, diante de Deus: Não sei como é que isto vai acabar, mas tenho a certeza de que Cristo ressuscitou».
Esta é a certeza que nos permite recomeçar de novo cada dia e acreditar que há esperança para os homens, para cada um de nós! Esta é a alegria pascal: encontrar a nova vida que está em cada um. Basta viver na amizade com Deus para experimentar a alegria de se saber amado e amar Aquele que não passará.
É a verdadeira alegria espiritual, como nos ensina Nossa Senhora, Mãe da Esperança. Ela sabia que Aquele que ela amava não estava ausente e que a pedra do sepulcro não havia sido o ponto final. Jesus morreu na sua natureza humana, é verdade, mas continuava vivo como Deus. A grande alegria de ver que no meio da maior tragédia, embora tudo diga o contrário – esperando contra toda a Esperança – permanece a certeza de ser amado.
Que os próximos cinquenta dias do Tempo Pascal que começa sejam, para cada um de nós, dias de grande alegria espiritual, na certeza de que se é amado por um amor que não passa.

P. Diogo Correia
Pároco de Peniche
paroquiacaldasdarainha@gmail.com
Artigo de opinião publicado na Gazeta das Caldas na edição nº5219
Quinta-feira, 29 de Abril de 2018
Ligação: https://gazetacaldas.com/opiniao/catolicos-do-oeste-um-amor-nao-passa/